sábado, 8 de janeiro de 2011

Jornalista português Carlos Castro encontrado morto em quarto de hotel em Nova Iorque

O jornalista e cronista social Carlos Castro, 65 anos, foi encontrado morto esta madrugada num quarto do hotel Intercontinental, Nova Iorque. A polícia já prendeu um suspeito de homicídio.
Carlos Castro deu entrada no hotel a 29 de Dezembro, acompanhado pelo modelo português Renato Seabra, de 20 anos, que é neste momento o principal suspeito do homicídio cometido no 34º andar do hotel nova-iorquino.
Segundo o "Daily News", a polícia foi chamada ao hotel cerca das 19h00 (02h00 em Lisboa) tendo encontrado Carlos Castro inconsciente numa poça de sangue. O corpo estava deitado, virado para cima, numa poça de sangue, com traumatismos na cabeça, sem roupa e com os órgãos genitais mutilados.
Segundo a estação de televisão nova-iorquina NY1, Carlos Castro foi declarado morto no local pelos paramédicos.
"Ouvíamo-los a discutir", contou Suzanne Divilly, de 40 anos, hospedada num quarto perto dos portugueses, citada por aquele jornal. "Não pensámos muito nisso porque não nos dizia respeito", acrescentou.
Poucas horas depois da chegada da polícia ao hotel, Renato Seabra foi encontrado no hospital Bellevue e detido. Ainda não é claro por que estaria o jovem modelo português naquela unidade hospitalar.
Segundo a polícia, citada pelo "New York Post", uma amiga de Carlos Castro estava consciente de que existia algum tipo de mau estar entre os dois homens, especialmente visivel durante um almoço que os três tiveram ontem, o dia em que era suposto deixarem o hotel. Ainda segundo aquele jornal, a amiga do jornalista dirigiu-se ontem à tarde ao hotel porque não conseguia contactar Carlos Castro. Ao entrar no edifício encontrou Renato Seabra a sair e falaram por breves instantes, altura em que este lhe terá dito: "Ele já não vai sair hoje". A mulher e os funcionários do hotel entraram no quarto de ambos e foi então que encontraram o corpo do português.
Fonte policial citada pelo "New York Post" contou que um computador portátil manchado de sangue foi encontrado no quarto do hotel. Os detectives a trabalhar o caso estão a tentar perceber se esta foi a arma do crime. Além disso, também estão a analisar um bocado de vidro de uma garrafa de vinho que pode ter sido usado para mutilar o jornalista.
Jornalista dedicou vida à escrita e à organização de espectáculos
O jornalista e cronista social Carlos Castro dedicou a sua vida à escrita, nomeadamente no "Correio da Manhã", e à realização de inúmeros espectáculos.
Nasceu a 5 de Outubro de 1945 em Moçamedes, Angola. Desde muito novo interessou-se pela leitura e cedo descobriu a sua vocação para a poesia.
Aos 15 anos partiu para Luanda, onde colaborou em diversos jornais, revistas e rádios.
Em 1973 venceu o festival de Luanda com o poema “Feitiço de Tinta”. Dois anos depois, chegou a Lisboa e nunca mais parou. Foi autor, realizador e intérprete de inúmeros espectáculos e tinha colaborações assíduas em várias publicações.
No dia que celebrou 65 anos de vida e 35 de carreira, o cronista social descreveu o seu percurso como “uma longa e feliz caminhada”. Na altura, fez um balanço positivo da sua vida e carreira: “Sou uma pessoa muito positiva e acho que não tenho de me queixar de nada, nem da minha vida. Tenho tido tudo aquilo que quero”.

Coitado do Homem. Estou chocada com esta história. Uma tragédia....

6 comentários:

Rita disse...

Que horror!

Este Blogue precisa de um nome disse...

Estou em choque...

Ana disse...

Ohh céus... k horror... muito mau!!! :(:(

Saltos Altos Vermelhos disse...

Foi macabro este assassinato!!

Anónimo disse...

quando se tenta aproveitar da inocência das pessoas e não é a primeira vez, esquecem-se que um dia vão ter um final triste.....
temos pena!

Ana disse...

"Astrólogo e parapsicólogo, Cláudio Montez viaja esta manhã para Nova Iorque, acompanhando duas das quatro irmãs de Carlos Castro, Fernanda e Amélia, para tratar da cremação do corpo e da cerimónia fúnebre, que deverá ser realizada na cidade norte-americana, como era desejo do colunista"

Terá sido este senhor a profetizar ao senhor C.C. que ia morrer novo e assassinado e em NY?

Tanta coincidência...